8 de jun de 2009

Carta do EX para a EX

Querida, escrevo para dizer que vou te deixar.
Fui bom marido por 7 anos.
As duas últimas semanas foram um inferno.
O seu chefe me chamou para dizer que você tinha pedido demissão e isto foi a gota.
Na semana passada, nem notou que não assisti ao futebol.
Te levei na churrascaria que Você mais gosta e nem me agradeceu.
Outro dia chegou em casa, nem comeu e foi dormir depois da novela.
Não diz que me ama, nunca mais fizemos sexo.
Está me enganando ou não me Ama mais.

PS: Se quiser me encontrar, desista. A Júlia, aquela sua 'melhor amiga' da academia e eu vamos viajar para o nordeste e vamos nos casar!


Ass. Seu Ex-Marido.


Resposta:

Querido Ex-Marido,

Nada me fez mais feliz do que ler sua carta.
É verdade, ficamos casados por 7 anos, mas dizer que você foi um bom
Marido é exagero.
Vejo a novela para não lhe ouvir resmungar a toda hora. Reparei que não assistiu futebol, mas com certeza, foi porque seu time tinha perdido e você estava de mau humor.
A churrascaria deve ser a preferida da amiga Júlia, pois não como carne há dois anos.
Fui dormir porque vi que a sua cueca estava manchada de batom. Rezei para que a empregada não visse.
Mas, com tudo isto, ainda o amava e senti que poderíamos resolver os nossos problemas.
Assim quando descobri que eu tinha ganhado na loteria, deixei o meu emprego e comprei dois bilhetes de avião para o Taiti, mas quando cheguei em casa você já tinha ido.
Fazer o quê? Tudo acontece por alguma razão. Espero que você tenha a vida que sempre sonhou.
O meu advogado me disse que devido à carta que você escreveu, não terá direito a nada. Portanto, se cuida!

PS. Não sei se lhe disse, mas a Julia, minha 'melhor amiga', está grávida de 02 meses do Jorginho, nosso Personal Trainer. Espero que isto não seja um problema...

Ass: Milionária, Gostosa e Solteira.

17 de jul de 2008

Chegada distante

Querida,

Chegamos bem, por aqui está tudo ótimo, apesar de ainda bagunçado. Natural, afinal com tudo o que trouxemos ainda iremos demorar um tempo razoável para organizar tudo.
Confesso que a maior bagunça está em meu coração, que trouxe tantas recordações daí.
Sei que não será fácil conviver com a ausência.
O que é pior: a certeza da ausência, já que sei que não esbarrei com ninguém por aqui, nenhum rosto conhecido.
Meu coração aperta quando penso nisso.
Não, não amiga, não vou chorar.
Tantas lembranças também me fazem sorrir.

Um beijo grande de sua amiga (distante só em quilômetros)

29 de mar de 2008

O que eu também não entendo

Essa não é mais uma carta de amor
São pensamentos soltos traduzidos em palavras
Pra que você possa entender
O que eu também não entendo


Amar não é ter que ter sempre certeza
É aceitar que ninguém é perfeito pra ninguém
É poder ser você mesmo e não precisar fingir
É tentar esquecer e não conseguir fugir, fugir


Já pensei em te largar
Já olhei tantas vezes pro lado
Mas quando penso em alguém é por você que fecho os olhos
Sei que nunca fui perfeito mas com você eu posso ser
Até eu mesmo que você vai entender

Posso brincar de descobrir desenho em nuvens
Posso contar meus pesadelos e até minhas coisas fúteis
Posso tirar a tua roupa
Posso fazer o que eu quiser
Posso perder o juízo
Mas com você eu tô tranquilo, tranquilo

Agora o que vamos fazer, eu também não sei
Afinal, será que amar é mesmo tudo?
Se isso não é amor, o que mais pode ser?
Estou aprendendo também

Composição: Fernanda Mello e Rogério Flausino

25 de mar de 2008

As cartas que eu não mando



Rio de Janeiro
Hoje é 23 do 3
Como vão as coisas
De mês em mês
Eu me sento pra escrever pra você

Eu reformei a casa
Você nem soube disso
Nem das outras coisas
Sabe eu tive um filho
Já faz tempo que eu me perdi de você

Guardo pra te dar
as cartas que eu não mando
Conto por contar
E deixo em algum canto

Vi alguns amigos
Tropeçando pela vida
Andei por tantas ruas
São histórias esquecidas
Que um dia eu quis contar pra você

Eu fico imaginando
Sua casa e seus amigos
Com quem você se deita
Quem te dá abrigo
Eu me lembro que eu já contei com você

E as pilhas de envelopes
Já não cabem nos armários
Vão tomando meu espaço
Fazem montes pela sala
Hoje são a minha cama
Minha mesa, meus lençóis
E eu me visto de saudades
Do que já não somos nós

Autor: Leoni

5 de mar de 2008

Notícias suas

Querido ...

Que bom receber notícias suas!
Melhor ainda saber que está tão bem, que levou adiante seus projetos, que eles estão se realizando e que já não há mágoas. Nunca quis te fazer mal.

Fico orgulhosa por você e, sinceramente, feliz por suas conquistas.
Se dependesse de mim iria querer ver todos assim, com garra para lutar por seus sonhos e sem muito tempo para lamentar o que passou. Afinal, já passou né? E quem disse que não foi bom? Só não precisava ser eterno.

Este desejo também se estende a mim, claro! Aprendemos muito juntos, crescemos juntos.
Fizemos nossas escolhas. Nem sempre as melhores, mas foram as que pareceram melhores (ou mais fáceis) naquele instante. Por isso, não existem culpados.

Importante mesmo é nos orgulharmos de quem somos e continuarmos em nossos caminhos, que um dia se encontraram e, que hoje, seguem independentes, mas com um passado em comum.

Um abraço da amiga de sempre
.